Clínica Vibracional

PREÂMBULO


O corpo humano não é um conjunto de “peças“ susceptíveis de serem consertadas, substituídas, extirpadas. O corpo físico é o elemento do Ser que está sustentado por frequências energéticas / vibracionais que, quando está em equilíbrio / harmonia com essas energias, espelha um padrão de saúde, isto é, de conformidade entre Consciência / Espírito, Mente e Físico.

Os fundamentos da Clínica Vibracional irmanam-se com as “teorias revolucionárias” de Einstein:
a) “…toda a matéria é constituída por energia vibracional…”
b) “…o Ser Humano não é uma máquina complexa, mas, um organismo multidimensional constituído por sistemas físico – celulares que estão em interacção dinâmica e permanente com complexos campos energéticos reguladores”
(citado em Gerber, 1998).

Os princípios da mecânica quântica não-linear, são, igualmente, contemplados, pois

“…As moléculas bioquímicas que constituem o corpo físico são, na verdade, formas de energia vibratória”.

Os recursos e metodologias da terapêutica vibracional associam o conhecimento científico ocidental com a milenar sabedoria das artes de cura orientais… que entende o Ser multidimensional / holístico – unificado por Espírito / Consciência -> Mente -> Matéria / Corpo físico – celular.

Somos, ainda, partículas indivisíveis do Todo, um microCosmo integrado no MacroCosmos, em conformidade com o princípio holográfico da Consciência Universal: “em cada fragmento / partícula do Universo está contida informação relativa ao Todo”. É como se, cada qual, fosse uma nota da Sinfonia de Deus, cf Osho.

O mundo concreto não existiria sem o seu correspondente oculto, seu oposto e complementar. A natureza holística e a essência espiritual do Ser e da Consciência são partes da realidade Total. Por isso mesmo, é nosso dever estabelecer pontes de comunicação entre os aspectos concretos e os aspectos ocultos inerentes a cada Ser.

A abordagem Transpessoal / Holística de pessoa contempla os fenómenos estranhos às suas dimensões de espaço e tempo.

Trata-se de aspectos que, embora estejam fora da lógica cognitiva inerente à “cultura humana”, são parte indispensável do resgate da natureza espiritual / divina do Homem.

O inexplicável e o oculto não deixam de existir porque os métodos e instrumentos da ciência são insuficientes para identificar, manipular, explicar a “verdade” inexplicável.

A crença – religiosa, ou não – está intimamente relacionada com a necessidade ancestral do Homem em depender de Algo / Alguém superior que o transcenda…e a quem possa atribuir culpas pelos seus infortúnios. Na realidade, Transcendência e Poderes Ocultos são aspectos essenciais e indissociáveis do Ser, do desconhecido que existe em nós e para “Além” de nós … nos reinos do Oculto e Misterioso.

Saúde e doença são aspectos da liberdade e da responsabilidade aplicadas nas nossas escolhas / respostas / decisões.

Conforme o modo como usamos o livre-arbitrário, assim alcançamos recompensas (paz interior, saúde, produtividade pessoal), ou castigos (adversidade, sofrimento, doença). Fazemos, assim, o Destino a cada momento. Não há, no “Éter”, nenhum Barbudo Benfeitor, nenhum Polícia Voyeur que nos manda para o “Inferno” ou para o Céu. Reza a lei divina: receberás em função do que dás…“assim na terra como no céu” (faz o Céu na Terra). Céu e Inferno são “experiências” terrenas, efeitos da qualidade dos nossos pensamentos e atitudes. Nada nos é dado de borla…tudo tem de ser conquistado. As nossas realizações – ou não realizações – têm a origem e a marca energética dos nossos sonhos, pensamentos e sentimentos, que se manifestam no mundo concreto – palco de todos os fenómenos e eventos.

A trama do destino é urdida em função do uso do “nosso” livre-arbítrio. Logo, doença e saúde, sofrimento e bem-estar, resultam das nossas escolhas, da qualidade dos nossos pensamentos e emoções, independentemente de factores como hereditariedade.

Um padrão de vida saudável exige redefinição dos padrões de convivência causadores de disfunção. Cada resolução “kármica”, cada remissão de uma doença, corresponde a um salto criativo da consciência, isto é, ao desenvolvimento do autoconhecimento / espiritual… veículo privilegiados de paz interior, bem-estar e saúde.

O termo Holístico começa a figurar em relatórios científicos e médicos o que denota abertura de espírito, mudança da mentalidade, adaptação a “novas realidades”.
Segundo Kuhn:

“A adopção de novos pensamentos e atitudes é a característica essencial de toda a revolução científica”.

Ora, o progresso científico e tecnológico das últimas 3 décadas tem contribuído para a abertura, gradual e consistente, da mentalidade ocidental à mística oriental, concretamente, a Holística, o que tem favorecido uma transformação global, de carácter ímpar, desenhada com a eclosão dos “Movimentos” de contracultura da década de 1960, nomeadamente, a “Nova Era” e o “Transpessoal”.

Na actualidade, sabemo-lo, o conhecimento médico ocidental tem sido prejudicado por continuar a acolher a ideia de que todas as doenças podem ser curadas se for restaurado o elemento físico do indivíduo, ou suprimidos os sistemas de células anómalas. A abordagem holística à doença transpõe o plano físico do ser e unifica as partes com o todo. Ao restabelecer uma comunicação harmoniosa entre os Mundos concreto e oculto, reabilita a saúde.

O tema exige alteração da atitude mental, isto é, abertura de espírito e esclarecimento, debate e reflexão – sérios – sobre as novas descobertas científicas e as possibilidades de uma abordagem completa às correlações entre distintos níveis de Existência, Tangibilidade e Transcendência da Vida. Os eventos evidenciam a emergência de um novo paradigma, cujo traço definidor é a IMPRESIVIBILIDADE, quer dizer, é preciso trilhar caminhos jamais explorados, direccionar o pensamento para as exigências de “novas realidades”, estar atento aos sinais, perceber a inteligência universal, porquanto a natureza não é estática, mas dinâmica e dual…nada existe por acaso nem sem o seu oposto e complementar. A exigência do novo paradigma pode estar a apontar na direcção inevitável da tomada de consciência da natureza espiritual e holística de tudo, das dimensões ignoradas e o real valor da vida.

A noção de que o (corpo) físico é a única dimensão do Ser, é um mito. Investigação liderada pelo King’s College, de Londres, concluía, há mais de 2 décadas, que a essência humana não é o corpo, mas uma alma / consciência / espírito, exterior ao cérebro. que a consciência permanece para além do corpo físico. todavia, a sua origem é desconhecida.

O sentido da Mudança pode ser que temos de preparar-nos para lidar com situações cuja natureza inédita e complexa nos obrigará a desenvolver competências ocultas. Acredito na hipótese, pois o Homem comum utiliza cerca de 10% do potencial do cérebro físico, está confinado às capacidades dos 5 sentidos. Neste aspecto da superação dos 5 sentidos, os resultados da experiência terapêutica persuadem-me de que as relações entre os mundos concreto e metafísico são parte integrante de uma realidade.

Os propósitos da metafísica são a investigação de fenómenos que ultrapassam a realidade captada pelos 5 sentidos.

A praxis Vibracional é integradora dos aspectos concreto e espiritual e tem vindo a ganhar relevância com as “descobertas” da Ciência e da Tecnologia, nomeadamente, dos telescópios espaciais Hubble, Kepler, Spitzer, sobre novos horizontes da Vida Cósmica e da Transcendência Humana. Estes aspectos eram pouco considerados há, apenas, 1 década.

Na realidade, o progresso científico e tecnológico reflecte-se no enriquecimento do padrão mental típico da humanidade, na abertura de espírito e num pensamento não centrado no ego, mas, mais além, isto é, na dimensão íntima / espiritual… (do eu que sou, acima do eu que tenho – material, mas transitório e perecível).

Os melhores esforços da informatização, a par da espiritualização da Vida planetária, tendem para a reintegração de áreas distintas e enriquecimento do Conhecimento. Como refiro noutro “capítulo”, é uma conquista que coloca em questão as velhas “certezas” da História, da Ciência e da Religião.

A “assinatura” do sentido desta mudança (longa, mas extraordinária!?) é a experiência de bem-estar essencial, a integração da mística e de uma nova noção de Ser “completo” / transdisciplinar / multidimensional e transpessoal. Então, o corpo … que tanto valorizamos, por pensarmos que corresponde à expressão única da Vida … começa a ser percebido como a parte exterior que … quando deixa de ser “abastecida” pela energia eterna do espírito fica circunscrito a massa inanimada … ” restos mortais” de … “cadáver” de fulano(a) … “pó que regressa ao pó”… estelar.

O corpo é, apenas, veículo de manifestação da nossa passagem pela Terra, cf Jung.

Capaz de presentear uma imensa porção de Universo aos terráqueos … perdidos num longínquo ponto azul. Justifico: a grandeza conhecida do / deste Universo comporta de CEM MIL MILHÕES DE GALÁXIAS … e cada uma das ditas galáxias, comporta, cerca de outros tantos CEM MIL MILHÕES DE ESTRELAS. Números que são, simplesmente, estonteantes. Mais ainda, a descoberta, recente, de uma galáxia cujo brilho ultrapassa em 300 milhões de vezes a luminosidade da “Via Láctea”. Também é sabido que, a parte de mundo que enxergamos é bem menor do que a parte desconhecida (superior a 80%). Assim sendo, não consigo acreditar que tamanha imensidão de Universo nos tenha sido ofertada por um Deus / Criador “esbanjador” … a uns sujeitos que ainda não pisaram mais do que a “sua” Lua.

Mais!
Existe a forte probabilidade de ser verificado que o nosso universo não é “único”. Matéria deveras complexa. Um “criador” dono disto tudo!? Se nada prova a sua existência, o certo é que ainda não foi feita prova do contraditório. Presumo, todavia, que dentro de nós, haja a centelha divina / oculta que “escreve direito por linhas tortas”, numa lógica que nos ultrapassa. Por quê!? Porque ainda não sabemos explorar o potencial divino oculto / a dimensão misteriosa que coabita com cada um. “A casa do meu Pai tem muitas moradas” … metáfora / alegoria de Jesus à permanência do Espírito / eternidade da Consciência!?
Muitas moradas, certamente.

Análise pessoal:
1) o sistema solar ocupa uma parte da “cauda” da “via láctea” (a nossa parte da herdade galáctica);
2) a “via láctea” tem, no seu centro, um “buraco negro” com o diâmetro de 1 ano – luz, o que equivale a uma viajem à velocidade de 350.000 km p / segundo, durante 365 dias, terrestres;
3) os “buracos negros” podem ser portais de “comunicação com” outros universos – paralelos, complementares!?
4) 100 mil milhões é o número de galáxias conhecidas… quantas possuem buracos negros… um, ou mais?!?!?!?!?

Consubstancia ciência e espiritualidade para restabelecer harmonia entre Espírito / Consciência, Mente e Corpo. O modus operandi é holista e eclético, quer dizer que aglutina vários procedimentos, sem conceder exclusividade a nenhuma das disciplinas integrantes.

Os meios e os “instrumentos” são adaptados às necessidades do paciente e às aptidões, opções e intenção do terapeuta. Terapia Criativa Transpessoal e Parapsicologia Clínica estão a colaborar para que, num futuro não distante, ciência e tecnologia, artes e filosofias orientais se unam com propósitos de cura e liberdade e responsabilidade pessoais na escolha de terapias e de terapeutas. (…) não é de novos medicamentos que o homem precisa, mas de adoptar novas atitudes na Consciência (Christien Fléche, cofundador da “Nova Fisiologia”).

Nas práticas de nível avançado é comum a aplicação de “injecções” de energia vital para reequilibrar os fluxos energéticos do sistema de chacras e nadis.

Na realidade, tudo no universo – um corpo orgânico ou aparentemente inerte, sonhos, pensamentos e emoções, fogo e água, a doença e a saúde – possui uma vibração e frequência próprias.

“Nascemos e morremos em momentos precisos de consonância vibratória entre o indivíduo / ser e uma nota vibratória individual emitida pelos chacras”

(fontana, 2002); (Burger, 2007).

Os chacras, são centros vibracionais (vórtices ou portais), de transferência e regulação das energias da consciência, estimulados por notas vibratórias / frequências da consciência que, tanto podem equilibrar / acalmar, ou excitar. O sistema de chacras estabelece um vínculo vital entre o além / transcendente (subjectivo, oculto), e o corpo físico-celular (concreto). Um indivíduo sob pressão física e / ou emocional deprime as capacidades de reacção do corpo, é incapaz de manter-se em ressonância harmónica com a consciência / espírito que alimenta o corpo. A carência energética deprime o sistema imunitário, fragiliza o equilíbrio entre o energético superior e o corpo físico-celular.A Saúde é consequência do alinhamento entre pensamentos e sentimentos e as frequências da Consciência. Os diferentes “estados de espírito” correspondem ao grau de conformidade do Corpo com essas frequências vibratórias projectadas pela Consciência / Espírito.

O corpo humano é espelho dessas interacções. Energias transferidas por via da Radiestesia e da Cromoterapia são muito úteis na diagnose intuitiva, na avaliação e no recobro de instabilidade energética e emocional… e de disfunção somática.

A competência intuitiva é insubstituível na recuperação do equilíbrio energético original e da saúde. O êxito do terapeuta depende do respeito, da humildade e da gratidão que demonstra para com “reinos” desconhecidos e invisíveis… mananciais das boas vibrações.

Diagnose, avaliação e remissão de uma doença têm o foco exclusivo nas causas omissas da patologia, quer dizer, decorrem à margem de procedimentos cirúrgicos e / ou farmacológicos.

O objectivo essencial da clínica vibracional é o realinhamento dos diferentes sistemas que constituem o ser, isto é, do físico-celular e do mental, com o espiritual original.

Propósitos do realinhamento / reequilíbrio vibracional:
1) avaliação e controlo das causas iniciais da doença e do sintoma físico;
2) reposição do equilíbrio energético / remissão gradual da patologia
– latente e manifesta.

O processo terapêutico evidencia o tipo psicológico e segue a metodologia criativa adaptada capaz de resolver das causas emocionais associadas ao conflito / desbloqueio dos fluxos energéticos e remissão da patologia.

Um Bloqueio Energético é consequência de desarmonia estabelecida entre impulsos electromagnéticos / químicos de pensamentos e emoções negativas e o discernimento.

Um conflito emocional inesperado – e o medo derivado – “desalinha” o equilíbrio da polaridade e as estatísticas indicam que é a mais importante fonte de bloqueio energético.

A permanência do medo posterior a um conflito emocional bloqueia a mente, leva a pensamentos e sentimentos obsessivos, a uma panóplia patológica associada: psicoses e depressões, fobias, neuropatias, recalcamento da autoexpressão e das emoções, privação do sono, tiques nervosos, postura corporal assimétrica, alimentação desadequada, deficiência da visão e / ou da audição, hérnias … discais, abdominais, inguinais, etc.

As regiões corporais afectadas – órgãos, músculos, estrutura óssea – “descobrem” o tipo de conflito emocional.
A disfunção física é expressão simbólica da substância traumática remanescente … numa zona particular do subconsciente.

Independentemente de outros factores predisponentes – hereditariedade, meios doméstico e familiar, laboral e social – a doença constitui, sempre, a resposta que o corpo encontra para expressar um conflito persistente. Logo, medos e fobias são, maioritariamente, derivações de uma experiência “traumatizante”…que pode ser traduzida por impulsos electro–magnéticos/vibracionais que se deslocam pelo sistema nervoso, até se fixarem na massa celular … que manifesta o dano psicológico e a ressonância corpórea da causa.

As emoções deflectem estados de consciência que o cérebro processa e envia para o corpo… “espelho” … dar-lhe a visibilidade correspondente.

A investigação assegura que o nível de uma doença – indiferentemente da etiologia – é função do tempo de permanência de um bloqueio no sistema energético. Dito de outra forma: a desarmonia entre ego / mente e consciência está na origem da tensão / oposição dos campos vibracional e físico-celular. Tomemos como exemplo que, perante uma percepção de ameaça à frágil segurança do ego, a mente fixa-se obsessivamente na ameaça, resultando daí, impulsos mentais “negativos”, um padrão específico de tensão emocional. ”(…) quando as tensões químicas e físicas ultrapassam o ponto de não-retorno, começa a desenvolver-se o processo de doença (Sheally, 1988).

A aptidão intuitiva / mediúnica é fundamental para a obtenção de resultados duradouros. Deve, portanto, ser suficientemente treinada tendo em vista o aperfeiçoamento da sintonia entre os diversos canais de comunicação / troca de informação, entre mundos diferentes, e aplicação terapêutica conforme as indicações de “Entidades Superiores”.

Os resultados “identificam” a qualidade do vínculo estabelecido com essas “Fontes” e o tipo de dedicação que, tem de ser permanente e incondicional. O desenvolvimento de percepção intuitiva e capacidades mediúnicas é proporcional à diminuição da participação do pensamento e do ego nas avaliações e decisões pessoais. Através de trabalho continuado, esses “dons” (endógenos) vão-se tornando automáticos / “instintivos”.

O equilíbrio estabelecido na cadeia energética Consciência / Espírito -> Mente / Emoções -> Corpo é essencial para prevenir e manter um nível de saúde regular, facilitar a reversão e / ou a prevenção de uma doença.

A investigação da Holística tem ajudado a que sejam muitos os que compreendem que cada doença se caracteriza por uma vibração singular estranha à frequência vibracional original de órgãos e músculos. A doença é causada por uma frequência que faz “desafinar” a harmonia fundamental.

A reversão (das causas) de uma doença obedece a um processo organizado conforme segue:

a) Tomada de consciência de que tanto o corpo físico como os sistemas de energias subtis são emanações do Espírito;
b) Identificação das zonas afectadas e do próprio sistema energético, particularmente;
c) Reequilíbrio na Unidade Espírito, Mente e Corpo;
d) Eliminação dos conteúdos nocivos do conflito emocional que permanecem registados na memória celular.

A resolução de um conflito emocional é progressiva, envolve as zonas de “sombra” do eu (persona) e a “luz” do eu íntimo “verdadeiro”. A catarse não é fácil, porque é reactiva e desconfortável, faz emergir uma dor emocional latente que terá que ser libertada.

Apesar de o processo terapêutico ser orientado e alcançar êxito, ainda são poucos os que preferem evitar o confronto com o que o “espelho” reflecte: os aspectos mal-amados de si mesmo que, por isso mesmo, são “escondidos” nas zonas sombrias da persona.

É uma típica “habilidade intelectual” de negação e/ou fuga à realidade, a causa maior de sofrimento desnecessário e de doença. A fuga à realidade os usa ardis como orientador espiritual, “terapeuta alternativo”…aparências que conferem uma certa “aura”… de pessoa disponível para ajudar o outro. Muito cuidado! Aquele que não é capaz de ajudar-se, não está de bem consigo, tem os fluxos energéticos bloqueados, faltam-lhe o discernimento e a competência para “auto-ajudar-se”, suga a energia do próximo é um vampiro energético. O mundo da espiritualidade é complexo, demasiado exigente e sério. Desenvolvimento espiritual implica clareza mental, competências específicas, entrega pessoal, “predicados” não disponíveis em bancas ou quejandos.

”…começa a ficar para trás uma lógica de cura centrada em técnicas e metodologias mecanicistas pré-determinadas”

(Gerber, 1988).

Quer dizer, está a nascer uma nova consciência, conceitos novos e criativos. A ideia de que a química medicamentosa resolve tudo, começa a perceber-se, não está certa, não é suficiente para alcançar resultados correspondentes no restabelecimento da saúde, no reequilíbrio entre Consciência / Espírito, Mente e Corpo. Nos nossos dias, o conceito de corpo humano supera o de mecanismo complexo organizado numa perspectiva aritmética de somatório das partes.

As descobertas sobre os poderes ocultos da Consciência e a influência de pensamentos, crenças e sentimentos sobre a química celular, têm contribuído, de forma consistente, para comprovar o valor incontestável da clínica não-convencional, da abordagem holística às causas da doença, das dimensões Espiritual e Transpessoal do Ser. O poder das “artes, manipulações e tecnologias ancestrais de cura” nomeadamente a radiestesia e a luz / cor, a intenção dirigida, os exercícios de relaxamento criativo e as visualizações, é milenar. Tais práticas remontam à antiga China e às clássicas Grécia e Roma, mas continuam a ser utilizadas por instituições… de interesse público.

A saúde depende de nós, de uma postura intelectual construtiva e de uma boa relação entre o Espírito, a Mente e o Corpo. Conforme os diferentes níveis de equilíbrio que consigamos estabelecer entre os diversos sistemas de energia do “cérebro”, dos Chacras e dos Corpos emocional e sideral, assim podemos adoecer e / ou prevenir e curar uma doença.

“Quando o equilíbrio da energia emocional é perturbado são geradas fraquezas e transformações físicas que deixam os diversos órgãos do corpo mais susceptíveis à doença”

(Gerber, 2000).